PEC 534 APROVADA JÁ!!!

PEC 534 APROVADA JÁ!!!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Quebrando mitos: Prefeitos tem a obrigação de adequar as Guardas Municipais a Lei Federal 13.022/14?

Publicado em 09/02/2016

Por Alan Braga

Algumas pessoas teimam ainda em desrespeitar as Guardas Civis Municipais em todo o território nacional, outros tentam iludir os prefeitos dizendo que a Lei Federal 13.022/14 (Estatuto Geral das Guardas Municipais) não se aplica a aquele município, e em outros casos os prefeitos querem bular a lei federal fazendo contratos contratando pessoas e empresas privadas para exercer a função de guarda municipal.
Mas afinal, a gestão municipal é obrigada a adequar a sua GCM já existente? A resposta é com certeza sim, pois é uma lei federal, na qual foi apresentada como um projeto de lei e que foi discutida nas comissões do Congresso Nacional até ser aprovada no Senado e posteriormente na Câmara dos Deputados Federais e após sua aprovação, sancionada no dia 08 de agosto de 2014 pela atual presidente Dilma Russef.
Esta lei federal 13.022/14 traz as competências e atribuições mínimas e gerais para as Guardas Civis Municipais padronizando-as pois até então por não existir uma lei norteadora a nível federal a qual o artigo 144 em seu paragrafo 8º sugeria em seu ultimo trecho com a seguinte afirmação, “ ... conforme dispuser a lei.”, e hoje esta lei é justamente o Estatuto Geral das Guardas Municipais.
A Lei traz em seu texto que após sua publicação os municípios terão dois anos contatos a partir desta data para que possam fazer as adequações necessárias para estarem de acordo com esta legislação federal, como por exemplo a implantação de carreira única dentro das corporações, comando de carreira, ter no mínimo ensino médio completo para ingresso na carreira, serem armadas conforme dispuser a lei federal que trata do assunto do armamento para as Guardas Municipais, que nesse caso se trata da lei 10.826/03 acrescido do Decreto-Lei 5.123/04, ingresso na carreira somente através de concurso público contendo as fases de avaliação objetiva, psicológica, teste físico e investigação social podendo também através de legislações municipais ser acrescido de mais regras.
Mas passado o prazo de até 08 de agosto de 2016 para as adequações conforme o Estatuto Geral das Guardas Municipais o que pode acontecer com as gestões municipais? Simplesmente os prefeitos podem responder processo por improbidade administrativa e até se tornar inelegíveis por não seguirem essa normativa federal que é para ser aplicada a todos os municípios. Sindicatos, Associações, Federações, Conselhos de Guardas Municipais podem acionar os Ministérios Públicos dos seus estados e o federal para que os municípios possam ser obrigados a se adequarem a esta lei.
E as futuras GCM que possam ser criadas devem seguir as normativas desta lei? Sim, todas sem exceção devem seguir esta legislação, desde as existentes até as que possam vir a serem criadas futuramente nos mais diversos municípios brasileiros.

Por GCM Alan Braga
Guarda Civil Municipal de Salvador/BA

alansantb@hotmail.com  

5 Comentários:

JUAN BARROS disse...

Sou Guarda municipal,e tenho esperança de um dia trabalharmos armados.

Unknown disse...

É um absurdo um agente da segurança pública colocar sua vida em risco e não poder possui uma ferramenta "arma"para sua própria segurança. Parabéns para os prefeitos que respeita o estatuto das guardas municipais.

Unknown disse...

Em Rio das Ostras-RJ,o prefeito está enrolando não acatando a lei,enchendo a Secretaria da GM de policiais militares para atuarem nos cargos, esculachando a Guarda,falando que eles não prestam pra nada e já até falou que no município quem manda é ele e que as leis que tem que ser cumprida são as que ele quiser e que se os GMs não tiverem satisfeitos, que corram atrás de seus direitos, por que advogado bom e dinheiro para bacanas um ele tem.

Luiz Henrique Silveira disse...

Tínhamos que ter uma comissão de Guardas do Brasil para fiscalizar as prefeituras que estão descumprindo a lei. Pois as comissões de GMs,formadas nos municípios, estão sendo esculachadas pelos seus governantes e em alguns casos, até tons de ameaças por parte de alguns.

FEBAGUAM disse...

Prezado Luiz Henrique, assim como companheiros de Rio das Ostras no estado do Rio de Janeiro, sugiro a vocês que criem associações regionais que unam no minimo GCM´s de dois municípios para que estarem atuando em defesa dessa classe a nível regional e inclusive esta fazendo essas fiscalizações e fazendo as devidas ações jurídicas necessárias para combater essa questão em seu estado. Aqui na Bahia nós da FEBAGUAM temos feito o possível para apresentar denúncias e ações jurídicas em todo o estado da Bahia. Não medidos esforços e tudo que tem estado em nosso alcance temos feito. Agora não adianta criarmos associações locais, entidades regionais, estaduais, nacionais, movimentos disso e daquilo só elevar o nome de um guarda fulano ou sicrano e nada fazer, pois as mudanças não irão acontecer se ficarmos de braços cruzados esperando um super herói aparecer, um milagreiro ou alguém que do nada vem e resolve tudo por nós e ficamos no conforto sem fazer esforço nenhum pra nada.